Mike Patton retorna para o Chile com a Mondo Cane – sábado, 8 de setembro, a Arena Santiago

Mike Patton regresa a Chile con Mondo Cane   sábado 8 de Septiembre, Coliseo Santiago

Ingressos Puntoticket.

Enquanto Mike Patton é conhecido para encarnar vários projetos, o Mondo Cane é diferente de seus trabalhos anteriores. Nele, a cantora, é uma homenagem a outros compositores, uma primeira possibilidade para o homem de frente de bandas como originais e influentes como Mr. Bungle, Tomahawk e Fantômas. Neste álbum de 11 faixas, Patton explica “o Meu objetivo é rever essas peças, para não reviver o passado, não por nostalgia, mas mais para ilustrar através de interpretação moderna e cheia de aventura, como vital e importante esta música”.

Sábado, 8 de setembro, Mike Patton retorna ao nosso país com seu projeto Mondo Cane, onde o inimitável, o vocalista foi apresentado com uma banda, coro e orquestra, composta por 40 músicos e homenageia o italiano de música das décadas de 50 e 60 em um imperdível show na Arena de Santiago, na que será a sua terceira visita, com este projeto, no Chile.

Os bilhetes estarão à venda para o sistema de Puntoticket a partir de quinta-feira, 26 de abril, ao meio-dia. Os valores são os seguintes:

Platea Alta: Us $ 30.000 Para o primeiro Andar Barracas contados: us $ 55.000 um passo a us $45.000,

Em Editar Chile para 2018: programação para o domingo, abril de

In Edit Chile 2018: programación de domingo de abril

Um clássico dos Rolling Stones e a vida de Eric Clapton para esta quarta dia.

Até segunda-feira, 23 de abril, vivemos em uma nova edição do festival In-Edit Chile, com trinta recurso e documentários, música de todos os estilos, onde há histórias lendárias com histórias incríveis.

Confira a programação para hoje, domingo, 22 de abril:

Grace Jones: Bloodlight e Bami

Teatro Nescafé

Slave to the rhythm. O espaço de atuação é solitário”, mas de um fascinante espaço solitário”, nas palavras de Grace Jones. A vida de um nômade dos mais internacional da mulher jamaicano mostra a liberdade e profissionalismo. Ícone do pop avant-garde (da onda disco o além), sua influência marca de décadas atrás áreas de fotografia, design e moda. E este documentário é o primeiro a mostrar a cantora, atriz e modelo em um campo ainda mais inesperado: o de sua vida em casa, como filha, mãe, irmã e avó, no meio da natureza, no Caribe ou em grandes cidades europeias.

Aqui não há arquivos: é Grace Jones no hoje da sua cotidaneidad para alguns (incrível) com 69 anos de idade, e ainda eléctrica movimento no palco. Não há nostalgia, reclamações ou autocondescendencia diva. Ele vem para o trabalho. Seria um acéfalo para qualquer um, mas as mulheres de “Libertango” é forçada de vez em quando para lembrar aqueles que fazem isso da maneira mais difícil: “eu Sou um ser humano!”. A vocação para a excentricidade radical exige certos esclarecimentos. EM EDITAR a amostra deste aclamado documentário, no Chile, na mesma semana de seu lançamento nos Estados unidos.

Cassete: Um Documentário …

Centro De Arte Alameda

Você sabia que a cassete compacto, e o CD compartilham o mesmo pai? Na frente da câmera, o engenheiro holandês Lou Ottens entrega detalhes da sua contribuição para a humanidade, embora sem traços de nostalgia ou de auto-promoção: só foi o seu trabalho como empregado de Phillips, quer nos fazer acreditar. As palavras romântico para a caixa com fita plástica no trilho vêm de quem usou: músicos, tais como Henry Rollins, Thurston Moore (Sonic Youth), Daniel Johnston, Ian MacKaye (Fugazi) manter memórias da cassete vinculada ao seu começo como os amantes da música e colecionadores, e confessar-se culpado de ter gravado mais de um, como um método de conquistas amorosas (antes de as listas de músicas no Spotify!). A cassete é parte da história da música, fundamental na formação gostam de música, de quem cresceu nos anos oitenta, e também daqueles que utilizou como ferramenta de base de hip-hop. E há os excêntricos: aqueles que ainda fabricam, vendem e compram em tempos de música digital e streaming. Fazer você jogar fora sua coleção de fitas? Ou falar.

Eric Clapton: a Vida em 12 barras de

Teatro Nescafé

Para medir o grau de importância de Eric Clapton na unidade de balancim do século xx, simplesmente, com fotos de arquivo de um olhar para trás neste documentário: não é o guitarrista nascido em Surrey, junto com Jimi Hendrix, George Harrison, BB King, e Ginger Baker. Há histórias de um músico com a sorte. Clapton faz parte do panteão de heróis, blues-rock, e este extenso documentário (feitas em colaboração com as entrevistas em profundidade na frente da câmera e a entrega do material antes de private) nos lembra que a representação está amarrado a uma determinada talento, sua marca e seu estilo de trabalho. Viver em 12 barras de contraste para o sucesso com o complexo e inevitáveis períodos de tristeza, confusão, em alguns casos, com doses que são auto-destrutivos; bem como com o destino fatídico da morte de seu filho Connor. “A música me salvou” é a frase que serve como bússola. Uma biografia fiado pelas próprias palavras de Clapton, e por suas músicas. Música Incidental, pelo premiado argentino Gustavo Santaolalla.

Ue, Meu Pai e Os Cariocas

Lúcia Veríssimo | 2017 | Brasil | 112′ *Melhor Documentário Nacional IN-EDIT BRASIL para 2017

Teatro Nescafé *apresenta o seu diretor no quarto.

Tom Jobim costumava dizer que a música é uma reflexão sobre o seu tempo, e este documentário vai ao longo de sete décadas da história recente do Brasil a partir da história de um único conjunto, Os Cariocas. O trio vocal é um súpergrupo do samba-canção, a bossa nova e o tropicalismo, e sua relevância dada a fé neste documentário, músicos como Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Gal Costa e Djavan.

Híbrido. O espírito do Brasil

Sala Cine UC

Três anos de exploração do interior do Brasil estão no projeto multi-formato Híbrido, um dos mais significativos no destacadísima carreira do cineasta francês Vincent Moon (convidado especial da EDIÇÃO de Chile, em 2009). Sua câmera não olha para os grandes músicos, mas as tradições e ritmos escondidos, os rituais, os cantos e a dança. O resultado é uma espécie de filmagens em transe, com quase nenhuma distância entre sujeito e observador. Híbrido é uma viagem etnográfica para as cerimônias sagradas do maior país da américa do Sul, bem como um filme de ensaio visual e poesia sonora. Não há vozes ou explicações; o suficiente com os sons e os pulsos.

Two Sevens Clash

Teatro Nescafé *exposição Cerimônia de Premiação 2018 (somente para hóspedes)

“As ruas de Kingston para as ruas de Bristol, através de punk-rock”. A descrição da jornada da juventude de Don Letts é preciso, e este documentário é a síntese perfeita: como o filho de imigrantes jamaicanos, o futuro cineasta caiu para a meados dos anos setenta, em um britânico circuito em que a sua cor de pele não foi um impedimento, pelo contrário, promoveu um encontro inédito entre os rastas e punks. Outros assumiu a guitarra, sua arma era um Super-8 câmara. E que é um privilégio que encontra na frente da lente: The Clash, Sex Pistols, Fendas, Chrissie Hynde pegou o caminho para a fama. Um arquivo de fitas só, mostrado no passado, para o ritmo do reggae, também incluindo lembranças pessoais, de viagem entre Letts e Johnny Rotten para a Jamaica em 1978. Punks no caribe, a apanhar o ritmo da raiz.

Rolling Stones: Simpatia para o Diabo *50º Aniversário

Centro De Arte Alameda

O registro de um disco pode ser um instantâneo de tempo, se os envolvidos são figuras históricas no meio de ventos idem. Isso aconteceu em 1968, este documentário do cineasta francês Jean-Luc Godard no estúdio com os Rolling Stones. A preparação, em Londres, do álbum Mendigo Banquete (os singles, “Street fighting man”, “Sem expectativas” e, claro, “Sympathy for the devil”) foi cruzado com o ativismo dos Panteras negras, as disputas entre comunismo e fascismo, as profundas mudanças nos papéis de gênero, e um rock ‘ n ‘ roll, atencioso como sempre, após a esses novos paradigmas. Foi, figúrense, maio de ’68.

“A única teoria do filme consistia em juntar dois tipos de discurso: um musical, político; talvez um sentimental. Colocá-los juntos para ver o que iria acontecer”, explicou, em seguida, para Godard.

Havia a suspeita de fãs e foi desprezado pelos músicos (pelo menos, é o que diz Keith Richards, em sua autobiografia), mas metade de um século mais tarde, este documentthe surge como um calmante e, ao mesmo tempo desconfortável registro social, mesmo fora da banda. Notas o crítico Eduardo Guillot, em seu livro Sonhos elétrica. 50 filmes crítico da cultura rock: “o Rolo para base de tempo, o plano-seqüência, Sympaty para o diabo, não só é um filme sem precedentes possível na história do cinema rock (nem documentário, nem ficção, nem hagiografia), mas também se conecta a música popular com o espírito do seu tempo e incluídos em um discurso político”.

ps://www.o youtube.com/embed/D8K6SUFt9Vs” width=”560″ height=”315″ frameborder=”0″ allowfullscreen=”allowfullscreen”>

Busca

Sala Cine UC

Uma experiência excepcional documentário: o acompanhamento de oito anos (desde a primeira eleição de Obama para o Trump) para o dia a dia da vida de um africano-americano da família no norte da Filadélfia, Rainey. Vítimas de uma crise social e uma intransponível segregação, as rimas do hip-hop lançado e gravado no porão de sua casa são uma forma eloquente de expressão para toda a sua comunidade, confrontados diariamente com tanto a dificuldade como para o movimento de resistência de seus laços. Premiado em vários festivais, o Quest fez parte da selecção oficial do Festival de cinema de Sundance, em 2017, e não deixa de acumular aclamação da crítica. “Excelente. Um documentário é incrível, que vive e respira”, diz Gama. “Um testamento para o poder da família e o pessoal bondade”, comemora o Hollywood Reporter.

Bando de Kunst. Um filme sobre Sleaford Mods

Centro De Arte Alameda

Heróis da classe trabalhadora. A história da enfático Sleaford Mods ensina, entre outras coisas, como não perder a cabeça se você começar a proclamar “a voz do povo”. O tédio e a descreímiento aportarem seus ouvidos com a música deste duo eletrônico-punk, nascido em Nottingham, Inglaterra, para que o sucesso da decisão da verdade pela surpresa. Esta é a crônica da mudança que dão suas vidas proletário para a passagem de cuspir a raiva em pubs para ser a nova sensação na grã-Bretanha de austeridade (louvor na casa de Iggy Pop incluído). Dois antiestrellas para quem a conquista das massas no festival de Glastonbury, não tira o indelével.

Em Editar Chile para 2018: agenda para sábado, 21 de abril

In Edit Chile 2018: programación de sábado 21 de abril

Um clássico dos Rolling Stones e histórias que são de revelação, de Iggy Pop, e John Coltrane, para este terceiro dia.

Até segunda-feira, 23 de abril, vivemos em uma nova edição do festival In-Edit Chile, com trinta recurso e documentários, música de todos os estilos, onde há histórias lendárias com histórias incríveis.

Confira a programação para hoje, sábado, 21 de abril:

Perseguindo Trane: John Coltrane Documentário

Centro De Arte Alameda + “Documento Vivo”

A forja de um gigante. Biografia clássica de ordenação pela primeira vez para o grande ecrã as experiências e paixões que foram esculpindo a revolucionária som de um saxofonista imortal. O aumento em um país cuja secreção; a aprendizagem com Dizzy Gillespie, miles Davis e Thelonious Monk; a vitória sobre a heroína, a mística de subida: o homem e o artista no espelho duplo de glória e tormento. Um amor supremo. Escrito e dirigido pelo lendário cineasta John Scheinfeld (U. s. vs. John Lennon, Quem É Harry Nilsson…?) neste documentário não só envolveu a família de John Coltrane, mas que o acesso a arquivos pessoais nunca antes mostrado. Na frente da câmera de fontes de altura: de Sonny Rollins para Bill Clinton (e, sim, quem sabe jazz). Narração do ator Denzel Washington.

Olancho

Sala K

Ter composto uma canção em nome de um conhecido traficante de drogas forças Manuel Chirinos para deixar sua casa nas montanhas de Honduras e ir para os Estados unidos, com uma ameaça de morte em sua cabeça. A sua música tem subido a um perigoso cartel de drogas, e é melhor buscar refúgio, mesmo se isso significa que deixando para trás muitos de seus sonhos. A partir de uma cabine de rádio, recorda a sua vida como vocalista das plebes como Olancho, a banda mais famosa narcocorridos na região maiores e mais perigosas de Honduras.

Dois diretores americanos têm um conhecimento profundo da realidade de Olancho, e a ação a ser impressionados pelo contraste entre uma violenta realidade diária, e, ao mesmo tempo, a força e generosidade do seu povo, cujas dificuldades foge de uma genuína expressão musical.

Suzanne Ciani: Uma Vida em Ondas de

Teatro Oriental

Se você viu a televisão, você foi ao cinema ou ouvido uma rádio nas últimas duas décadas do século xx, seguro cruzaste com o trabalho de Suzanne Ciani, mas não é o que você sabia. O charmoso e envolvente som dessa mulher pioneiro da música eletrônica e os efeitos da música na publicidade tem sido com a gente através de inúmeros comerciais, filmes e jogos de vídeo. A comunidade techno, no entanto, o parabeniza por sua composição mágica em sintetizadores modulares, uma ousada releitura do neoclássico e reinvenção da nova era. Nos últimos anos, Ciani —a primeira mulher a ocupar a capa da revista Teclado (1979)— também se tornou um ícone, uma feminista, capazes de prosperar, desde o início, em uma empresa, “em que eu não tinha escolha, mas para ser melhor do que os homens”.

Híbrido. O espírito do Brasil

Sala K

Três anos de exploração do interior do Brasil estão no projeto multi-formato Híbrido, um dos mais significativos no destacadísima carreira do cineasta francês Vincent Moon (convidado especial da EDIÇÃO de Chile, em 2009). Sua câmera não olha para os grandes músicos, mas as tradições e ritmos escondidos, os rituais, os cantos e a dança. O resultado é uma espécie de filmagens em transe, com quase nenhuma distância entre sujeito e observador. Híbrido é uma viagem etnográfica para as cerimônias sagradas do maior país da américa do Sul, bem como um filme de ensaio visual e poesia sonora. Não há vozes ou explicações; o suficiente com os sons e os pulsos.

Encontrar José I. A HR do Bad Brains Documentário

Centro De Arte Alameda

Sendo a figura mais carismática e eletrizante, o hardcore americano para a frente do grupo Bad Brains, H. R. (Paul D. Hudson) veio morar na rua. Que graça? Você se alienado? Fazer tudo de uma vez? Amigos, fãs e o próprio músico tentando decifrar uma jornada de vida alimentado por um talento para a interpretação como a empresa como seu misticismo rastafari, embora torpedeados pela esquizofrenia. Este é o tipo de documentário capaz de humanizar uma figura que, até agora, foi idealizado ou desconfortável. É a complexidade de uma mente alterada, embora fosse claro o seu compromisso social e criativo. Ajuda a desembaraçar o novelo de entrevistas com membros do Bad Brains, Fugazi, Sublime, Deftones, e Viva Cor, entre outros. E o ar compartilha sua vida, a filosofia e a carreira.

Blow-Up

Teatro Oriental

Clássico entre os clássicos da onda e a estética de londres de meio século atrás (o chamado “swingin’ London”), este filme de ficção conecta-se lateralmente com a música e também com a américa do Sul. No primeiro caso, uma trilha sonora vibrante no comando de um jovem Herbie Hancock, e a cinco minutos de uma cena inesquecível, com a Banda em ação (quando em grupo, Jimmy Page e Jeff Beck, a quem o diretor mandou-os para destruir seus instrumentos-o-Que). Além disso, a Argentina e o Chile estão pairando sobre a gênese dessa história em um elegante fotógrafo que acredita que você tem registrado involuntariamente por um assassinato em um parque, inspirado no conto “A barba do diabo”, de Julio Cortázar (que, por sua vez, ouviram uma história semelhante à bem conhecida chileno fotógrafo Sergio Larraín).

Não só é Michelangelo Antonioni atrás da lente. Na frente da câmera, Jane Birkin, Vanessa Redgrave e David Hemmings. Blow-up foi com a Palma de Ouro em Cannes em 1967, foi nomeado para dois Óscares e teve uma longa influência sobre um filme de excelente moldagem pop. Ele está localizado, como uma homenagem a nossa programação, desta vez com uma cópia restaurada.

Autor: A mentira de JT LeRoy

Sala Cine UC

Não são personagens de ficção e há também autores de uma mentira. Duas décadas atrás, o romancista JT LeRoy tornou-se um fenômeno literário nos Estados unidos, elogiado pelos bravos textos em prosa semiautobiográficos cheia de detalhes sobre a sobrevivência de jovens, o uso de drogas e abuso sexual. Figuras do cinema e músicos como Bono, Billy Corgan, Debbie Harry e Tom Waits for declarado para os leitores-fãs. Tudo correu de forma perfeita todo o misterioso escritor, que ele parecia como se ele foi projetado para um adulto mente anônimo. Ou talvez fosse o que? Pelo mesmo diretor e roteirista do premiado O diabo e Daniel Johnston (2005), este é um documentário revelando, às vezes, posverdad.

Rolling Stones: Simpatia para o Diabo *50º Aniversário

Sala Cine UC

O registro de um disco pode ser um instantâneo de tempo, se os envolvidos são figuras históricas no meio de ventos idem. Isso aconteceu em 1968, este documentário do cineasta francês Jean-Luc Godard no estúdio com os Rolling Stones. A preparação, em Londres, do álbum Mendigo Banquete (os singles, “Street fighting man”, “Sem expectativas” e, claro, “Sympathy for the devil”) foi cruzado com o ativismo dos Panteras negras, as disputas entre comunismo e fascismo, as profundas mudanças nos papéis de gênero, e um rock ‘ n ‘ roll, atencioso como sempre, após a esses novos paradigmas. Foi, figúrense, maio de ’68.

“A única teoria de o filme consistia em juntar dois tipos de discurso: um musical, político; talvez um sentimental. Colocá-los juntos, para ver qw chapéu está acontecendo”, explicou, em seguida, para Godard.

Havia a suspeita de fãs e foi desprezado pelos músicos (pelo menos, é o que diz Keith Richards, em sua autobiografia), mas metade de um século mais tarde, este documentário se destaca como uma precisas e, ao mesmo tempo desconfortável registro social, mesmo fora da banda. Notas o crítico Eduardo Guillot, em seu livro Sonhos elétrica. 50 filmes crítico da cultura rock: “o Rolo para base de tempo, o plano-seqüência, Sympaty para o diabo, não só é um filme sem precedentes possível na história do cinema rock (nem documentário, nem ficção, nem hagiografia), mas também se conecta a música popular com o espírito do seu tempo e incluídos em um discurso político”.

Onde Você está destinado a Ser

Sala Cine UC

Aidan Moffat, excantante indie grupo Árabe Correia, viagens de van, para o verde e molhado Escócia, com releituras de clássicos do folk. É a sua maneira de conhecer as raízes de sua história e os códigos de uma comunidade que pode estar em perigo de extinção. Mas as dúvidas vão surgir na cruz com Sheila Stewart, um cantor de 79 anos de idade e a personalidade forte, o último de uma linhagem de nômades que discordar de sua irreverente adaptações de canções tradicionais. Depois de conhecê-la, o encontro com dois caçadores de monstros em loch Ness, o canto na cozinha de um agricultor nas ilhas Hébridas e o pé em um cemitério do Planalto vai ter uma outra ênfase.

Há humor e ao mesmo tempo inquietante reflexão sobre a morte no filme que fica na memória devido ao forte sotaque escocês de seus personagens, de suas paisagens, e pela forma como você mostrar o passo trêmulo da modernidade, em local próximo aos pés da tradição.

Iggy Pop: American Valhalla

Teatro Oriental

Às vezes, a colaboração em um disco podem se mover muito mais do que o trabalho de estúdio. Quando Iggy Pop, procura Josh Homme (Queens of the Stone Age) para ajudar a orientar o seu álbum de Pós-pop depressão, é aberto a novas chaves e vida criativa. O ex-Stooges quer uma nova energia e uma prática que afirma que o rock à prova de fogo quase 70 anos de idade. O quarenta-algo californiano, entretanto, eu não estou acreditando que a sorte de ter sido escolhido como um parceiro para uma lenda. Estas duas perspectivas contrastantes falar na frente da câmera (com seu amigo Anthony Bourdain como entrevistador), em um registro do rigor e o humor, a admiração e a amizade, a busca e a defesa da identidade.

Laibach: Dia Da Libertação

Teatro Oriental

Como você tem uma banda de rock para tocar ao vivo na Coreia do Norte é a primeira intriga que revela que este documentário histórico. Dia da libertação é o fascinante acompanhamento para a primeira e única visita ao Pionyang do eslovanos Laibach —conhecido por seu uso de imagens totalitário em suas composições próprias e estranhas versões do adoçado hits pop—, para o que ficou na história como o primeiro show de rock em que a opressiva capital, sob o comando de Kim Jong-un. Uma semana de agosto de 2015, e não como qualquer outro: reuniões com o estado burocratas, inúmeras restrições para os passeios pela cidade, um encontro oficial com as autoridades, que termina em desastre, as ruas estão vazias, estátuas, arcos. E, no final, a música na frente de uma platéia incomparável (e um repertório atacada por ordens superiores). Só na américa do norte o coreano rock combina o medo com o absurdo.

XTC: Este é Pop

Centro De Arte Alameda

Um passeio com um senso de humor e admiração para a carreira do britânico, XTC, ourives desde a década de oitenta para um pop de relojoaria e de alta influência, mas nunca passou de grande fama, ou a sensação ímpar de homem-fora dentro do enxame de indústria. Na frente da câmera, os fãs tão significativo quanto o de Stewart Copeland (The Police) zanjan: “XTC foi uma das poucas bandas que se atreveu a quebrar as rígidas regras de punk”. O irônico cantor-compositor Andy Partridge diz que ele odeia o rockumentaries mas de qualquer maneira se deleita em partilhar fantasias e acordes rara, com um rictus de um filho travesso. Este (também) é pop.

Se eu Acho que da Alemanha durante a Noite

Centro De Arte Alameda

A calma e a reflexão guia desta visita para um setor da cena eletrônica, atualmente em curso na Alemanha. Saudações entre os fios da parte de Sonja Moonear, Ata Macias, Romano Flügel, Mover D, e do chile (estabeleceu-se em Berlim) Ricardo Villalobos. Pistas de dança hipnótica, espaços domésticos preenchido por inúmeras botões e passeios em parques públicos completar o passeio. São ideias de DJs para outros como eles e fã o pulso sincronizado.

Deafheaven apresenta um “Favo de mel”, primeiro destaque do “Processo Humano Corrupto Amor”, seu novo álbum

Deafheaven presenta

Ele lança no dia 13 de julho.

Esta semana, Deafheaven surpreendeu seus fãs com o anúncio de um novo material.

Depois de fazer parte das listas de melhores álbuns com “Sunbather”, de 2013, e a “Nova Bermuda”, 2015, formada em San Francisco, Califórnia, apenas ter lançado “Favo de mel”, a primeira prévia do seu próximo trabalho de estúdio, chamado “Processo Humano Corrupto Amor”, que inicia sexta-feira, dia 13 de julho.

Ouvir “Favo de mel”, o novo Deafheaven, então…

Esta é a lista de faixas de “Comum Corromper o Amor Humano”…

01. ‘Sem Fim’ 02. ‘Favo de mel’ 03. ‘Amarelo-Canário’ 04. ‘Perto’ 05. ‘Brilho’ 06. ‘Noite Pessoas’ 07. ‘Inútil Animal’

imagem20-04-2018-13-04-10

Slayer publica a segunda parte de “Primeiros Dias”, um documentário que resume seus 37 anos de carreira

Slayer publica segunda parte de

A banda de Tom Araya vai fazer uma turnê mundial de despedida.

Depois de anunciar a turnê mundial como uma despedida, algo que o fã e a todos no mundo do rock nos pegou de surpresa, esta semana Slayer comaprtió o segundo episódio de seu documentário intitulado “Primeiros Dias”, no resumo de seus 37 anos de carreira.

O documentário mostra os membros da banda de compartilhamento de como eles se conheceram e a série de eventos que os levaram a criar o Slayer no início dos anos 80, também mencionar os ex-integrantes do grupo, como foram Jeff Hanneman e Dave Lombardo.

Confira o segundo episódio de “Primeiros Dias” de Slayer, em seguida,…

Emerson, Lake & Palmer Vive: Carl Palmer retorna para o Chile – sexta-feira, 01 de junho, no Teatro Caupolicán

Emerson, Lake & Palmer Lives On: Carl Palmer regresa a Chile   viernes 01 de junio, Teatro Caupolicán

Bilhetes a Ticketek.

Esta é uma grande notícia para os fãs de Emerson, Lake & Palmer: Carl Palmer, o baterista e único membro sobrevivente do supergrupo, retorna para o Chile.

Sob o nome de Carl Palmer ELP Legado, o virtuoso baterista de volta ao nosso país com o show de Emerson Lake & Palmer Vida, no que vai rever os marcos significativos de uma das maiores lendas do progressivo.

Ingressos para o show Carl Palmer, no Teatro Caupolicán estão disponíveis no sistema Ticketek com os seguintes preços e locais:

Loge: $ 60.000 Diamante: R $ 50.000 Platinum: R $ 40.000 Ouro: $ 35.000 Prata: $ 30.000 Público: Us $ 25.000 Galeria: $ 18.000

imagem18-04-2018-13-04-48

ESPECIAIS // In-Edit Chile para 2018, de a A Z, parte 06

ESPECIAL // In Edit Chile 2018, de la A a la Z, parte 06

Temos de preparar-nos para o grande evento que terá lugar a partir de quarta-feira, 18 a segunda-feira 23 de abril.

Entre quarta-feira, 18 e segunda-feira, 23 de abril, haverá uma nova edição do festival In-Edit Chile, com trinta recurso e filmes documentais que olhar para os diferentes sede em Santiago.

E antes do início do festival, fazemos a contagem regressiva de analisar cada uma das obras audiovisuais que serão expostos na In-Edit Chile para 2018…

Suzanne Ciani: Uma Vida em Ondas de

Brett Whitcomb | 2017 | EUA | 75′

Teatro Oriental

Se você viu a televisão, você foi ao cinema ou ouvido uma rádio nas últimas duas décadas do século xx, seguro cruzaste com o trabalho de Suzanne Ciani, mas não é o que você sabia. O charmoso e envolvente som dessa mulher pioneiro da música eletrônica e os efeitos da música na publicidade tem sido com a gente através de inúmeros comerciais, filmes e jogos de vídeo. A comunidade techno, no entanto, o parabeniza por sua composição mágica em sintetizadores modulares, uma ousada releitura do neoclássico e reinvenção da nova era. Nos últimos anos, Ciani —a primeira mulher a ocupar a capa da revista Teclado (1979)— também se tornou um ícone, uma feminista, capazes de prosperar, desde o início, em uma empresa, “em que eu não tinha escolha, mas para ser melhor do que os homens”.

Rolling Stones: Simpatia para o Diabo *50º Aniversário

Jean-Luc Godard | 1968 | Inglaterra | 100′

Centro De Arte Alameda

O registro de um disco pode ser um instantâneo de tempo, se os envolvidos são figuras históricas no meio de ventos idem. Isso aconteceu em 1968, este documentário do cineasta francês Jean-Luc Godard no estúdio com os Rolling Stones. A preparação, em Londres, do álbum Mendigo Banquete (os singles, “Street fighting man”, “Sem expectativas” e, claro, “Sympathy for the devil”) foi cruzado com o ativismo dos Panteras negras, as disputas entre comunismo e fascismo, as profundas mudanças nos papéis de gênero, e um rock ‘ n ‘ roll, atencioso como sempre, após a esses novos paradigmas. Foi, figúrense, maio de ’68.

“A única teoria do filme consistia em juntar dois tipos de discurso: um musical, político; talvez um sentimental. Colocá-los juntos para ver o que iria acontecer”, explicou, em seguida, para Godard.

Havia a suspeita de fãs e foi desprezado pelos músicos (pelo menos, é o que diz Keith Richards, em sua autobiografia), mas metade de um século mais tarde, este documentário se destaca como uma precisas e, ao mesmo tempo desconfortável registro social, mesmo fora da banda. Notas o crítico Eduardo Guillot, em seu livro Sonhos elétrica. 50 filmes crítico da cultura rock: “o Rolo para base de tempo, o plano-seqüência, Sympaty para o diabo, não só é um filme sem precedentes possível na história do cinema rock (nem documentário, nem ficção, nem hagiografia), mas também se conecta a música popular com o espírito do seu tempo e incluídos em um discurso político”.

Trawvn=Reunião

Germán Liñero | 2018 | Chile | 58′

Fundação Cultural de Providencia *apresenta o seu diretor no quarto *ENTRADA gratuita

Uma viagem musical através da poesia dos mapuche poeta Elicura Chihuailaf, em um projeto que representa um Trawvn, uma reunião entre o grupo de Kalfu juntamente com a colaboração de composição de reconhecidos músicos, tais como Francisca Valenzuela, Nano Stern, Joe Vasconcellos, Manuel Garcia,: Juanito Ayala, Tata Barahona e Pancho Sazo (Congresso).

Two Sevens Clash

Don Letts e Paulo D’Ambrosi | 2017 | Inglaterra | 44′

Centro De Arte Alameda

“As ruas de Kingston para as ruas de Bristol, através de punk-rock”. A descrição da jornada da juventude de Don Letts é preciso, e este documentário é a síntese perfeita: como o filho de imigrantes jamaicanos, o futuro cineasta caiu para a meados dos anos setenta, em um britânico circuito em que a sua cor de pele não foi um impedimento, pelo contrário, promoveu um encontro inédito entre os rastas e punks. Outros assumiu a guitarra, sua arma era um Super-8 câmara. E que é um privilégio que encontra na frente da lente: The Clash, Sex Pistols, Fendas, Chrissie Hynde pegou o caminho para a fama. Um arquivo de fitas só, mostrado no passado, para o ritmo do reggae, também incluindo lembranças pessoais, de viagem entre Letts e Johnny Rotten para a Jamaica em 1978. Punks no caribe, a apanhar o ritmo da raiz.

Onde Você está destinado a Ser

Paulo Fegan | 2016 | Grã-Bretanha | 76′

Sala Cine UC

Aidan Moffat, excantante indie grupo Árabe Correia, viagens de van, para o verde e molhado Escócia, com releituras de clássicos do folk. É a sua maneira de conhecer as raízes de sua história e os códigos de uma comunidade que pode estar em perigo de extinção. Mas as dúvidas vão surgir na cruz com Sheila Stewart, um cantor de 79 anos de idade e a personalidade forte, o último de uma linhagem de nômades que discordar de sua irreverente adaptações de canções tradicionais. Depois de conhecê-la, o encontro com dois caçadores de monstros em loch Ness, o canto na cozinha de um agricultor nas ilhas Hébridas e o pé em um cemitério do Planalto vai ter uma outra ênfase.

Há humor e ao mesmo tempo inquietante reflexão sobre a morte no filme que fica na memória devido ao forte sotaque escocês de seus personagens, de suas paisagens, e pela forma como você mostrar o passo trêmulo da modernidade, em local próximo aos pés da tradição.

XTC: Este é Pop

Roger Centavo, Charlie Thomas | 2017 | Reino Unido | 85′

Centro De Arte Alameda

Um passeio com um senso de humor e admiração para a carreira do britânico, XTC, ourives desde a década de oitenta para um pop de relojoaria e de alta influência, mas nunca passou de grande fama, ou a sensação ímpar de homem-fora dentro do enxame de indústria. Na frente da câmera, os fãs tão significativo quanto o de Stewart Copeland (The Police) zanjan: “XTC foi uma das poucas bandas que se atreveu a quebrar as rígidas regras de punk”. O irônico cantor-compositor Andy Partridge diz que ele odeia o rockumentaries mas de qualquer maneira se deleita em partilhar fantasias e acordes rara, com um rictus de um filho travesso. Este (também) é pop.

ESPECIAIS // In-Edit Chile para 2018, de a A Z, parte 05

ESPECIAL // In Edit Chile 2018, de la A a la Z, parte 05

Temos de preparar-nos para o grande evento que terá lugar a partir de quarta-feira, 18 a segunda-feira 23 de abril.

Entre quarta-feira, 18 e segunda-feira, 23 de abril, haverá uma nova edição do festival In-Edit Chile, com trinta recurso e filmes documentais que olhar para os diferentes sede em Santiago.

E antes do início do festival, fazemos a contagem regressiva de analisar cada uma das obras audiovisuais que serão expostos na In-Edit Chile para 2018…

Queercore: Como Punk Revolução

Yony Judicial | 2017 | Alemanha | 80′

Centro De Arte Alameda

O que fazer quando a necessidade da comunidade não é a comunidade que você tem? Para meados da década de oitenta, alguns artistas e ativistas e dissidentes encontraram-se cansado tanto de uma subcultura gay aburguesada como da homofobia no punk. Em seguida, começou a produzir fanzines, filme, filmes subversivos e oferecer entrevistas radical e incorretas sobre gênero, feminismo, aids, sexo, e, claro, art. Subiu para uma nova cena: queercore, e convencer o mundo de sua existência. A partir de Bruce LaBruce, Pansy Division, John Waters e Kim Gordon até a riot grrrls e Pêssegos a diversão e a instigante história de queercore é uma vingança cultural anarquista, e as pessoas transexuais, cuja mensagem continua a guerra.

Busca

Jonathan Olshefski | 2017 | Estados Unidos | 104′

Sala Cine UC

Uma experiência excepcional documentário: o acompanhamento de oito anos (desde a primeira eleição de Obama para o Trump) para o dia a dia da vida de um africano-americano da família no norte da Filadélfia, Rainey. Vítimas de uma crise social e uma intransponível segregação, as rimas do hip-hop lançado e gravado no porão de sua casa são uma forma eloquente de expressão para toda a sua comunidade, confrontados diariamente com tanto a dificuldade como para o movimento de resistência de seus laços. Premiado em vários festivais, o Quest fez parte da selecção oficial do Festival de cinema de Sundance, em 2017, e não deixa de acumular aclamação da crítica. “Excelente. Um documentário é incrível, que vive e respira”, diz Gama. “Um testamento para o poder da família e o pessoal bondade”, comemora o Hollywood Reporter.

Residente

René Perez Joglar | 2017 | EUA | 90′

Centro De Arte Alameda

Seu nome no título para uma aventura é estritamente pessoal (o que acaba sendo coletiva). “Eu Sou Um Residente. Eu decidi fazer música com base no meu DNA. Eu viajei para diferentes partes do mundo, a recolha de sons e encontrar histórias. Somos todos moradores do espaço que ocupamos, e em nosso espaço não existem fronteiras”.

O cantor porto-riquenho esperando uma aventura única em seguida, deixar ir de Calle 13: o seu primeiro projecto a solo, seria um documentário, um livro e um disco com a música coletados em campo. Teve que se mudar para regiões com pegadas de seus antepassados: Arménia, Burkina Faso, China, Geórgia, Mongólia, Nigéria, Rússia, Estados unidos. “É um grande mapa em que nós somos pequenos”, constatou. Assim como eles fizeram mais de um século atrás, que saiu para gravar no fonógrafo de música on-site, Residente também procura captar a pureza da música feita sem a ansiedade da promoção ou o que gosta de internet. Colheita com este lições pessoais e políticos gigante. O que uma forma interessante de lidar com dois anos.

RIU, que apresentam as músicas

Paulo Berthelon | 2017 | Chile | 71′

Centro de Arte Alameda *apresenta o seu diretor no quarto.

Na língua rapa nui, rui significa “música”. Esta é a jornada espiritual e física do último herdeiro da antiga cultura de tradição oral, que é a Ilha de Páscoa. Maria Elena Hotus, desempenha, de 70 anos de idade, como um compositor, intérprete e professor de diferentes técnicas vocais. Tomou a decisão de deixar o seu legado antes de morrer. Apontado como um sucessor para sua filha, Aru Patê de Hotus, um transexual ilha tem de lutar contra a profunda e tendenciosa machismo ilha de páscoa. Quadros de ir para fora para cada espaço que contém uma lenda, o emblemático da ilha, e vai transformar aquele lugar em um cenário nativa, onde não serão músicas primitivas cantada por eles e outros habitantes da ilha de páscoa, com letras sobre as suas origens e costumes que manter o histórico de rapa Nui.

Sons do ar

Vicente Leiva | 2017 | Chile | 5′

Fundação Cultural de Providencia *apresenta o seu diretor no quarto *ENTRADA livre (ambas as funções)

Curta-metragem documentário, com particular intimidade e afeto, ele atravessa a viagem do acordeão desde a Patagônia até a Ilha de Chiloé. Há uma família de chiloé tem-se dedicado à interpretação, reparo, treinamento e exposição do presente instrumento. Sergio Colivoro em seus esforços para preservar a tradição, criada em Chonchi o quarto museu do acordeão no mundo, um projeto de auto-gestão e grátis. Este trabalho foi escolhido como vencedor do concurso “o Meu Documentário”, minidocumentales sobre o património cultural imaterial.

ESPECIAIS // In-Edit Chile para 2018, de a A Z, parte 03

ESPECIAL // In Edit Chile 2018, de la A a la Z, parte 03

Temos de preparar-nos para o grande evento que terá lugar a partir de quarta-feira, 18 a segunda-feira 23 de abril.

Entre quarta-feira, 18 e segunda-feira, 23 de abril, haverá uma nova edição do festival In-Edit Chile, com trinta recurso e documentários, que serão em vários locais, distribuídos em Santiago.

E antes do início do festival, fazemos a contagem regressiva de analisar cada uma das obras audiovisuais que serão expostos na In-Edit Chile para 2018…

Eric Clapton: a Vida em 12 barras de

Lili Fini Zanuck | 2017 | Inglaterra | 135′

Teatro Nescafé

Para medir o grau de importância de Eric Clapton na unidade de balancim do século xx, simplesmente, com fotos de arquivo de um olhar para trás neste documentário: não é o guitarrista nascido em Surrey, junto com Jimi Hendrix, George Harrison, BB King, e Ginger Baker. Há histórias de um músico com a sorte. Clapton faz parte do panteão de heróis, blues-rock, e este extenso documentário (feitas em colaboração com as entrevistas em profundidade na frente da câmera e a entrega do material antes de private) nos lembra que a representação está amarrado a uma determinada talento, sua marca e seu estilo de trabalho. Viver em 12 barras de contraste para o sucesso com o complexo e inevitáveis períodos de tristeza, confusão, em alguns casos, com doses que são auto-destrutivos; bem como com o destino fatídico da morte de seu filho Connor. “A música me salvou” é a frase que serve como bússola. Uma biografia fiado pelas próprias palavras de Clapton, e por suas músicas. Música Incidental, pelo premiado argentino Gustavo Santaolalla.

Ue, Meu Pai e Os Cariocas

Lúcia Veríssimo | 2017 | Brasil | 112′

Sala Cine UC

Tom Jobim costumava dizer que a música é uma reflexão sobre o seu tempo, e este documentário vai ao longo de sete décadas da história recente do Brasil a partir da história de um único conjunto, Os Cariocas. O trio vocal é um súpergrupo do samba-canção, a bossa nova e o tropicalismo, e sua relevância dada a fé neste documentário, músicos como Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Gal Costa e Djavan.

Encontrar José I. A HR do Bad Brains Documentário

James Lathos | 2016 | Jamaica, EUA | 91′

Sala Cine UC

Sendo a figura mais carismática e eletrizante, o hardcore americano para a frente do grupo Bad Brains, H. R. (Paul D. Hudson) veio morar na rua. Que graça? Você se alienado? Fazer tudo de uma vez? Amigos, fãs e o próprio músico tentando decifrar uma jornada de vida alimentado por um talento para a interpretação como a empresa como seu misticismo rastafari, embora torpedeados pela esquizofrenia. Este é o tipo de documentário capaz de humanizar uma figura que, até agora, foi idealizado ou desconfortável. É a complexidade de uma mente alterada, embora fosse claro o seu compromisso social e criativo. Ajuda a desembaraçar o novelo de entrevistas com membros do Bad Brains, Fugazi, Sublime, Deftones, e Viva Cor, entre outros. E o ar compartilha sua vida, a filosofia e a carreira.

Força Maior: IOVI, as margens da eletrônica

Thomas Achurra | 2018 | Chile | 64′

Centro de Arte Alameda *apresenta o seu diretor no quarto + “Documento Vivo”

IOVI é um músico pop-up e, noite a noite, abre-se passo no chile eletrônicos através de seu pulso e determinação. A partir de uma variedade de cenários, nos diz, com sua poesia, com temas variados: conexão específica com o corpo e com as máquinas, a sua afinidade com o mundo tranny, as substâncias, suas influências, o futuro e as suas múltiplas contradições com a cultura dominante.

Grace Jones: Bloodlight e Bami

Sophie Fiennes | 2017 | Irlanda/Grã-Bretanha | 115′

Teatro Nescafé

Slave to the rhythm. O espaço de atuação é solitário”, mas de um fascinante espaço solitário”, nas palavras de Grace Jones. A vida de um nômade dos mais internacional da mulher jamaicano mostra a liberdade e profissionalismo. Ícone do pop avant-garde (da onda disco o além), sua influência marca de décadas atrás áreas de fotografia, design e moda. E este documentário é o primeiro a mostrar a cantora, atriz e modelo em um campo ainda mais inesperado: o de sua vida em casa, como filha, mãe, irmã e avó, no meio da natureza, no Caribe ou em grandes cidades europeias.

Aqui não há arquivos: é Grace Jones no hoje da sua cotidaneidad para alguns (incrível) com 69 anos de idade, e ainda eléctrica movimento no palco. Não há nostalgia, reclamações ou autocondescendencia diva. Ele vem para o trabalho. Seria um acéfalo para qualquer um, mas as mulheres de “Libertango” é forçada de vez em quando para lembrar aqueles que fazem isso da maneira mais difícil: “eu Sou um ser humano!”. A vocação para a excentricidade radical exige certos esclarecimentos. EM EDITAR a amostra deste aclamado documentário, no Chile, na mesma semana de seu lançamento nos Estados unidos.