Festival Rock Rio Simpson 2018: um grito de música a partir de Aysén Patagônia — Futuro.cl

Por Jorge I. Lagás

O fim-de-semana de 20 e 21 de janeiro viu a sexta edição do festival Rock Rio Simpson, um dos encontros mais interessantes dentro da oferta de festivais de verão. Situado na periferia da cidade de Coyhaique, no centro de eventos Do Coelho, organizado pela associação de Músicos Independentes da Patagônia (programa), o evento optou desta vez para dois dias de música, com 17 bandas de diferentes partes do país, a maioria da mesma Coyhaique.

Breaddasknk, Ás de Oros (Punta Arenas), Vamos Skapar, Solteironas em Salmoura (Santiago), um Par de Choco, a Mahindra Projeto, Dulcidio (Santiago), Oblíqua, Tara, Fuma E Dança (Valdivia), os Leões marinhos, Clube Rucker (James), Privaos Che, A Banda do Commodore (Iquique), Jano Letelier (Chillán), Rock do Sul, Jaruki e Tephiret (Valparaiso) se encarregaram de animar os dois dias. Ao contrário do ano passado, onde , desta vez o tempo o acompanhou e uma brilhante que o sol iluminou o dia, aumentando um dos principais fatores que fazem com que este encontro algo um pouco convencional: a natureza que o rodeia a reunião e o lugar onde, em bancos de Simpson rio e com o imponente cerro McKay no plano de fundo.

Uma cena gráfica que torna patente o fato de que, indo para o Rock Rio Simpson não é só indo para ver grupos de jogar, é um caminhar para o destino de Aysén Patagônia com alternativas de refeições, entretenimento e contato direto com a natureza que temos a tendência de perder aqueles de nós que vivem em áreas muito urbana e com mais concreto do que as áreas verdes. Por esta razão, o festival promoveu uma série de atividades de satélite, tais como mesas redondas e tocatas em bares, que se estendia a chegada do festival durante essa semana. E que, de alguma forma, aponta para o modelo de festivais, onde eles tomam diferentes espaços da cidade, como você pode estar em uma escala maior, o Rockódromo (Valparaíso) ou no Rio (Valdivia).

Enquanto o bom tempo fez alguns entusiastas pulou nas águas do rio (inclusive o autor destas linhas), as bandas no palco mostrou a música que está sendo feito nessa área e em outras partes do Chile. Grupos de jovens, muitas vezes com notável talento, que são peleándola por ser ouvido, o fim do mundo. Cruzamento de diferentes estilos, desde rock petróleo bruto até influências do reggae, o soul, o avant-garde, eletrônica, rock raiz, as línguas podem ser muitos, mas o fator comum é a energia e o espontâneo e honesto, que mostrou quase todos em seus respectivos shows.

É bem como entre o meio das cervejas que era o entretenimento do compromisso, falamos com alguns dos músicos protagonistas do evento para cumprir a sua visão. O duo puntarenense Ás de Oros, que rompeu com sua proposta, cru e direto, disse-nos: “O lugar é maravilhoso, nos sentimos em casa, a produção é muito boa, por isso a sensação é de êxtase”. No ano passado, eles trouxeram suas álbum ‘Bluescifer’, em seu site , e “tem vários temas, muito sexual, as coisas, as meias de tabu, doente de blues, rock, stoner, um número de ramos que nós estamos fazendo agora. Em 2018, queremos voltar a fazer um álbum, nós estamos trabalhando nisso. É o plano mais próximo. Estamos liderando o caminho, como nós vamos festivais como esses, nós estamos indo para ir. Estamos em Magellan, é mais difícil para chegar lá, mas que é o que somos”.

Chelo MC, o engraçado vocalista de Si mesmo Skapar, disse: “cerca de quatro anos Atrás eu vim de um espectador, eu disse: ‘que gracinha de fase”. E para estar aqui, agora, é um prazer. É importante para nós, porque estamos acostumados a ouvir bandas regionais, mas para reunir-se com novos ritmos é bom, todos trazem propostas diferentes. Eu não sabia Dulcidio, por exemplo, eu conheci-o agora e achei muito bom. Mostrar coisas novas para as pessoas, e não tão coladas que é costume, é recebido bacán”. O pode aprender mais.

Gato Maureira, vocalista Dulcidio, deu-nos também alguns conceitos: “nós esperamos um longo tempo para vir para a região, para cumprir com esta paisagem natural fortalece a alma e nos faz sentir bem, dando ao povo o que fazer: música que eles tinha ouvido falar mas não tinha visto na vivo. Se você andar de bicicleta em Santiago, os músicos vêm de quase todas as regiões, então você vem a um lugar na Patagônia, para compartilhar com bandas daqui e de todo o Chile, é uma experiência muito rica e espero que nunca vai ser perdido para esta iniciativa.” Dulcidio tirou seu novo álbum ‘Lembrança’ no ano passado, e de acordo com Gato “nós começou a promovê-lo agora. Continuamos com shows a partir de março em diante. E nós estamos indo para o México, entre março e outubro”. Você pode ouvi-las.

Mimo, baixista do Maiden em Conserva, disse-nos: “a primeira coisa é A importância do festival para a região. Temos sido recentemente em Iquique, agora em Coyhaique, é importante que as coisas estão se expandindo. Este é um muito bom exemplo. Estou impressionado com a capacidade das pessoas aqui ao som da música. Você deve estar atento para as festas que estão se abrindo para a lugares diferentes”. A banda vai começar a comemorar em breve, de 20 anos, “puro impulso, e fomos muito bem este Coyhaique”. Este é o .

Tagore, o vocalista da valdivianos de Fumaça E Danças, foi inspirado com as seguintes palavras: “O festival é pura magia (…) Estamos em um ambiente de a nova cultura social. Que implica uma ação política, mas, do ponto de vista do indivíduo. Reunir-se com os outros de forma cooperativa, sem um ideal diferente. Mas que é algo muito maior do que isso. Os ideais que nos separou e fez a cara do outro, aqui estão dissolvidos. Todos nós nos tornamos uma grande humanos aldeia e compartilhar o que isso significa para olhar nos olhos uns dos outros, sentir e apreciar.” De fumaça e de Dança está se preparando para lançar seu próximo álbum, em abril de prometeu ter um lançamento show em Santiago e em outros lugares. Inovações .

Finalmente, Frank Martiniello, diretor do festival e líder deste programa, concluiu: “O importante é que o festival começa a se localizar como um destino alternativo na Patagônia e que nos faz orgulhosos. E também serve como uma plataforma para os nossos músicos para tocar em outros lugares, o intercâmbio com outras bandas”.

Aqui estão algumas imagens, cortesia da produção:

imagem25-01-2018-13-01-25imagem25-01-2018-13-01-27imagem25-01-2018-13-01-29imagem25-01-2018-13-01-31imagem25-01-2018-13-01-32imagem25-01-2018-13-01-34imagem25-01-2018-13-01-3501-2018-13-01-37″ width=”1024″ height=”683″ />imagem25-01-2018-13-01-38src=”http://romhacking.trd.br/wp-content/uploads/2018/01/imagem25-01-2018-13-01-39.jpeg” alt=”imagem25-01-2018-13-01-39″ width=”1024″ height=”683″ />imagem25-01-2018-13-01-41imagem25-01-2018-13-01-42imagem25-01-2018-13-01-43imagem25-01-2018-13-01-45imagem25-01-2018-13-01-46imagem25-01-2018-13-01-47imagem25-01-2018-13-01-49imagem25-01-2018-13-01-50imagem25-01-2018-13-01-51